Band manipula informações para criminalizar movimento social.

Em reportagem mentirosa e caluniosa veiculada no programa Brasil Urgente na última segunda-feira, dia 15 de julho, a TV Band manipulou informações para tentar desmoralizar e criminalizar manifestantes e deslegitimizar um movimento social aos olhos da sua audiência.

Confira a reportagem da Band clicando aqui.

375px-Graham's_Hierarchy_of_Disagreement1.svg

O Diagrama de Graham lista o argumentum ad hominem como a segunda forma mais baixa de argumentação, estando acima apenas dos xingamentos.

A tentativa de manipulação da opinião pública começa de forma sutil já nos primeiros 35 segundos, quando a repórter comenta que a mãe de uma manifestante foi buscá-la de carro na frente da Câmara de Vereadores, como se jovens que ainda dependem dos pais não tivessem o direito de protestar,  ou como se quem anda de carro não tivesse o direito de protestar por um melhor transporte público. Pelo contrário, o fato de alguém que protestar por algo que visa o bem comum – como o transporte público de qualidade – e não beneficia a essa pessoa em particular, só mostra que ela não está lá para defender apenas os seus interesses, mas sim pelo bem maior. Esse tipo de estratégia, de desqualificar os manifestantes e não as suas reivindicações é um artifício muito comum, conhecido como argumentum ad hominemou seja, um argumento que ataca a pessoa e não as idéias desta pessoa.

Aos 50 segundos, a repórter emite primeira mentira descarada: “Funcionários que chegavam para trabalhar eram barrados” para em seguida ser desmentida pelas imagens da própria reportagem que mostram um manifestante que se aproxima da janela de um carro que tenta entrar na Câmara e informa: “É feriado hoje, tá? Não precisa entrar, se quiser pode entrar.” Ou seja, os manifestantes não estavam barrando os servidores da Câmara, mas informando-os que os vereadores haviam determinado numa reunião em um restaurante que não haveria expediente na segunda-feira, dia 15/07.

A 1 minuto e 20 segundos uma breve deturpação dos fatos. A repórter afirma que a imprensa está impedida de entrar na Câmara de Vereadores, o que não é de fato verdade, visto que jornalistas independentes têm livre acesso às dependências da Câmara. Até onde sei, os únicos jornalistas que sofreram restrições foram os que trabalham para grandes conglomerados, como Globo e Bandeirantes e, acredito que até aqui, a Band já mostrou muito bem que essa limitação de acesso é justificada, pois não possuem a intenção de informar, mas sim de manipular a opinião pública. E ainda vai piorar…

Aos dois minutos e 15 segundos  a desinformação atinge níveis absurdos. A repórter afirma que “uma representante do Bloco de Lutas Pelo Transporte Coletivo” foi até a imprensa informar sobre a posição dos manifestantes sobre o pedido de reintegração de posse. A reportagem afirma que a jovem estava “visivelmente sob o efeito de drogas” e que falou palavras sem sentido. Na verdade, o que a moça estava fazendo não era uma declaração à imprensa em nome do Bloco, senão uma apresentação teatral, uma performance artística para debochar da cobertura da grande mídia e da opinião de comentaristas como Lasier Martins, da RBS, que tentam criminalizar os manifestantes rotulando-os de “anarquistas mascarados”. A jovem atriz apresentou-se como representante dos Mascaristas Anarcados e o trecho que foi ao ar na Band era um trecho da música que a jovem apresentou, debochando de Lasier Martins. Confira abaixo o vídeo com a performance da artista na íntegra:

Ao término da reportagem, entra o apresentador do Brasil Urgente, Paulo Bogado, questionando: “Como é que o Brasil pode ser sério? Como é que você vai cobrar de alguém com seriedade, vai cobrar passe livre, vai cobrar alguma coisa com esse tipo de gente aí?” Na verdade, a pergunta que fica é: como é que o Brasil pode ser sério com esse tipo de imprensa agindo impunemente? O Bloco de Lutas deveria entrar com uma ação contra a TV Band por difamação e calúnia. Se a presidente Dilma Russef realmente tivesse interesse em defender a democracia e não os interesses de empresas de comunicação e empresários ela exigiria a imediata cassação da concessão desta emissora, por mentir e manipular a população brasileira.