Porto Alegre das construtoras

Aprofundando a discussão sobre quem é que manda nas administrações municipais, republicamos aqui a excelente análise originalmente publicada no blog Quem dá mais?  Afinal, vivemos mesmo em uma democracia ou somos todos governados pelos interesses financeiros e econômicos?

Meu objetivo neste blog é entender melhor a dinâmica do financiamento das campanhas eleitorais no Brasil. Não estou interessado por exemplo em comparar o volume de receitas e despesas e constatar possíveis desvios ou fraudes. Meu objetivo é determinar quais setores da economia participam mais ativamente e descrever suas maneiras e estratégias. Com isso espero lançar alguma luz sobre os efeitos do atual modelo de financiamento eleitoral na qualidade da discussão democrática e nos próprios resultados das disputas eleitorais.

As cifras aqui publicadas foram extraídas do repositório de dados eleitorais do TSE, utilizando scripts disponíveis aqui. Compilar essas cifras é um processo um pouco técnico mas você pode reproduzi-lo independentemente, ou gerar novos dados, se desejar. Uma análise política academicamente respeitável desses dados só poderá ser feita por alguém com conhecimentos mais aprofundados nesta área – e eu espero que isso aconteça em algum lugar – mas eu não deixarei de dar minhas interpretações.

Who is who em Porto Alegre

Para começar nosso estudo do financiamento das campanhas para prefeito de Porto Alegre em 2012, vamos nos familiarizar com os principais players. Estes foram os quinze maiores doadores individuais, agregando dados referentes a todos os partidos e candidatos:

Doador Valor
COMPANHIA ZAFFARI COMERCIO E INDUSTRIA R$ 833.000,00
MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS S/A R$ 790.000,00
CONSTRUTORA OAS S.A. R$ 570.000,00
ITAU UNIBANCO S.A. R$ 410.000,00
CONSTRUTORA BRASILIA GUAIBA LTDA R$ 400.000,00
GERDAU COMERCIAL DE ACOS S.A. R$ 345.000,00
TONIOLO BUSNELLO S/A TUNEIS TERRAPLENAGENS E PAVIMENTAC R$ 344.000,00
CONSTRUTORA CIDADE LIMITADA R$ 324.000,00
CONSTRUTORA VOLQUE LTDA R$ 300.000,00
BOURBON ADMINISTRACAO COMERCIO E EMPREENDIMENTOS IMOB R$ 297.500,00
VONPAR REFRESCOS S A R$ 250.000,00
ARCOENGE LTDA. R$ 250.000,00
CMPC CELULOSE RIOGRANDENSE LTDA R$ 237.832,63
CONPASUL CONSTRUCAO E SERVICOS LTDA R$ 233.000,00
GOLDSZTEIN ADMINISTRACAO E INCORPORACOES LTDA R$ 211.300,00

Esses valores não representam transações individuais, mas consolidam o total doado por cada empresa, e excluem transações originárias de partidos políticos e comitês eleitorais.

Verifica-se imediatamente o fato bem conhecido de que empresas de construção exercem um papel predominante no financiamento eleitoral. Outros setores ativos são os de finanças, indústria alimentícia, mineração e siderurgia, e celulose. A Companhia Zaffari parece ser um caso à parte, já que não parece haver doações expressivas de outras empresas do setor de varejo, tanto em Porto Alegre quanto em outras regiões do país.

A disputa pela prefeitura

É evidente que, ao doar dinheiro a campanhas eleitorais, empresas vislumbram a obtenção de benefícios financeiros futuros. Esses benefícios podem se concretizar através da mera melhoria da situação econômica da região, ou através da aprovação de legislação conveniente, ou mesmo, no fim do espectro da moralidade, através da possibilidade de corromper candidatos beneficiados durante a campanha.

De maneira similar, podemos conceber diferentes estratégias de investimento em uma eleição. Por exemplo, pode-se imaginar certa companhia esteja menos interessada em influenciar o resultado do pleito que em garantir a simpatia do candidato vencedor, seja ele quem for, e assim distribua seus investimentos de maneira relativamente uniforme entre os candidatos; ou pode-se imaginar que tenha um comportamento mais politizado e invista pesadamente em seu campeão. Minha motivação inicial com este trabalho foi estudar precisamente este aspecto do comportamento das companhias da área de engenharia civil. Eu esperaria um comportamento pouco politizado, mas, como veremos, essa hipótese não se sustenta no caso da disputa para prefeito de Porto Alegre em 2012.

Vamos aos números: A campanha de José Fortunati arrecadou cerca de R$ 5,5 milhões, com R$ 3,7 milhões (67% do total) provenientes de companhias de construção. Os demais setores da indústria, bem como pessoas físicas, forneceram frações bem menos expressivas do total. A figura abaixo mostra em mais detalhes a composição do “portfólio” de Fortunati.

Composição das doações à campanha de José Fortunati em 2012

Manuela d’Ávila levantou um total de R$ 1,5 milhão junto a empresas e pessoas físicas. Curiosamente, o setor da indústria que mais contribuiu com sua campanha foi o alimentos, com R$ 560 mil ou 38% do total, ficando à frente das construtoras, que somaram R$ 316 mil ou 21% do total.

Composição das doações à campanha de Manuela dÁvila em 2012

Finalmente, Adão Villaverde angariou um total de R$ 718 mil, destacando-se a contribuição do setor de construção civil, com R$ 242 mil (37% do total), e de pessoas físicas com R$ 212 mil (30% do total)

Composição das doações à campanha de Adão Villaverde em 2012

As cifras estão listadas em detalhe na tabela abaixo:1

José Fortunati Manuela d’Ávila Adão Villaverde
Pessoas físicas R$ 229,598.00
(4.2%)
R$ 13,500.00
(0.9%)
R$ 212,004.65
(29.5%)
Construtoras R$ 3,676,000.00
(66.9%)
R$ 316,000.02
(21.4%)
R$ 242,000.00
(33.7%)
Bancos R$ 250,000.00
(4.6%)
R$ 150,000.00
(10.1%)
R$ 100,000.00
(13.9%)
Alimentos/Agropecuária R$ 160,000.00
(2.9%)
R$ 560,000.00
(37.9%)
R$ 50,000.00
(7.0%)
Mineração/Siderurgia R$ 280,000.00
(5.1%)
R$ 20,000.00
(1.4%)
R$ 0.00
(0.0%)
Celulose R$ 37,972.48
(0.7%)
R$ 131,107.65
(8.9%)
R$ 17,972.48
(2.5%)
Outros R$ 859,028.41
(15.6%)
R$ 288,823.90
(19.5%)
R$ 95,972.48
(13.4%)
Total R$ 5,492,598.89 R$ 1,479,431.57 R$ 717,949.61

Percebemos portanto uma forte preferência do setor de construção pelo candidato Fortunati, que sozinho recebeu um montante quase 7 vezes maior que os demais candidatos. Antes de atribuir motivações políticas a esse fenômeno, devemos refutar a hipótese de que essas companhias avaliassem como muito pequenas as chances dos demais candidatos e tenham evitado financiá-los por esta razão. Embora Fortunati tenha sido eleito no primeiro turno e com grande margem (65% dos votos, contra 18% de Manuela), pesquisas em agosto e início de setembro indicavam uma disputa acirrada entre Fortunati e Manuela, que estariam em empate técnico. Em vista desses dados eu concluo que o apoio maciço da indústria de construção a Fortunati possuía de fato motivações políticas, e a hipótese de que os benefícios oriundos de construtoras foram decisivos para o resultado final do pleito parece se sustentar.

É interessante aplicar as mesmas considerações para companhias em outros setores. O Itaú Unibanco forneceu R$ 150 mil à campanha de Fortunati, o mesmo valor a Manuela, e R$ 100 mil a Villaverde. Essa é a assinatura de um comportamento apolitizado, que visa a criar laços com figuras públicas de todas as orientações políticas. A Companhia Zaffari doou R$ 250 mil a Fortunati e R$ 130 mil a Manuela. Neste caso vislumbramos uma preferência sensível por Fortunati, que poderia ser atribuída tanto a questões políticas quanto a uma avaliação das chances de cada candidato na disputa. Por fim, a Gerdau contribuiu com R$ 280 mil à campanha de Fortunati e com apenas R$ 20 mil à campanha de Manuela, indicando uma forte preferência política.

Nos próximos posts, estudaremos o financiamento dos candidatos a vereador em Porto Alegre, e as eleições no Rio e em São Paulo.


Note que os totais listados acima para Manuela e Villaverde estão bem abaixo dos totais de arrecadação declarados por esses candidatos, que foram respectivamente R$ 3,8 milhões e R$ 2,5 milhões. Isso se deve a que os presentes dados contabilizam, para cada candidato, apenas doações de pessoas físicas ou jurídicas a seu partido ou comitê no município de Porto Alegre, bem como doações diretas aos candidatos. Estão excluídas transferências de recursos oriundas de partidos políticos.

Anúncios

5 Comentários on “Porto Alegre das construtoras”

  1. matasnativas disse:

    Artigo ótimo, e pelo jeito vem mais por aí. Mas quem é o autor disso?

    • Marcelo disse:

      Ele é leitor aqui do blog e entrou em contato conosco por e-mail. Mas como ele não colocou seu nome no blog original não sei se ele quer permanecer anônimo.

  2. Excelente material – precisa ser muito divulgado

  3. Adriana Castiel disse:

    Necessária ampla divulgação do texto, o qual é extremamente simples do ponto de vista da clareza na exposição dos fatos. Uma grande contribuição na luta pela reforma política.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s